Escassez de mão de obra afeta organizações na proteção de sistemas e redes de informação

A Trellix realizou novas pesquisas sobre a escassez de talentos que aflige o setor de segurança cibernética. Entre as principais descobertas, 85% dos entrevistados acreditam que a escassez de mão de obra está afetando a capacidade de suas organizações de proteger sistemas e redes de informação cada vez mais complexos. Da força de trabalho atual, 30% planejam mudar de profissão no futuro.

“Nossa indústria já está com 2,72 milhões de pessoas a menos. Cultivar e nutrir uma força de trabalho de segurança cibernética para o nosso futuro requer expandir quem vemos como talento e mudar nossas práticas nos setores público e privado”, disse Bryan Palma, CEO da Trellix. “Fechar a lacuna de talentos em segurança cibernética não é apenas um imperativo comercial, mas importante para a segurança nacional e nossas vidas diárias. Precisamos remover as barreiras à entrada, trabalhar ativamente para inspirar as pessoas a fazer um trabalho com alma e garantir que aqueles que estão em campo sejam retidos”, completa.

As descobertas são baseadas em uma pesquisa da Vanson Bourne, encomendada pela Trellix, com 1.000 profissionais de segurança cibernética na Austrália, Brasil, Canadá, França, Alemanha, Índia, Japão, Reino Unido e EUA em vários setores.

É preciso mais educação. À medida que as ameaças de atores de estados-nação e cibercriminosos crescem em volume e sofisticação, a escassez mundial de profissionais de segurança cibernética também cresce. Enquanto alguns países como a Rússia e a China investem profundamente na promoção de talentos de segurança cibernética por meio de educação financiada pelo Estado, muitas nações não têm programas dedicados. A Trellix procurou entender os níveis de educação e descobriu que mais da metade (56%) acredita que os diplomas não são necessários para uma carreira de sucesso em segurança cibernética. A pesquisa também descobriu:

O apoio ao desenvolvimento de competências (85%) e a busca de certificações (80%) foram selecionados como fatores de alta ou extrema importância para a indústria expandir a força de trabalho;

• Os empregadores poderiam estar fazendo mais para incentivar programas de orientação comunitária com presença em escolas K-12 (94%);

• As áreas com maior probabilidade de atrair pessoas para a segurança cibernética incluíram esforços para promover a alma das carreiras de segurança cibernética (43%), incentivo de estudantes STEM considerando carreiras de segurança cibernética (41%) e mais apoio financeiro para estudantes em carreiras de segurança cibernética (39%).

A diversidade gera melhores resultados. Dos profissionais de segurança cibernética pesquisados, 78% são homens, 64% brancos e 89% heterossexuais, e a grande maioria dos entrevistados (91%) acredita que são necessários esforços mais amplos para aumentar o pool de talentos de segurança cibernética de diversos grupos. Quando se trata de incentivar mais pessoas a considerar uma carreira em segurança cibernética, os entrevistados relataram inclusão e igualdade para mulheres (79%), diversidade da força de trabalho de segurança cibernética (77%) e diferenças salariais entre diferentes grupos demográficos (72%) como altamente ou extremamente fatores importantes para a indústria abordar. Descobertas adicionais incluem:

A maioria dos entrevistados (92%) acredita que uma maior orientação, estágios e aprendizados apoiariam a participação de trabalhadores de diversas origens em funções de segurança cibernética;

 
85% acreditam que os indivíduos são desencorajados a ingressar na profissão simplesmente porque não têm perspectiva sobre os vários papéis potenciais do campo e oportunidades de mobilidade ascendente;
 
94% dos entrevistados acreditam que seus empregadores poderiam estar fazendo mais para considerar funcionários de origens não tradicionais de segurança cibernética e 45% relatam ter trabalhado anteriormente em outras carreiras.
 
A segurança cibernética é um trabalho com alma. A pesquisa descobriu que a grande maioria (94%) acredita que o papel daqueles que trabalham em segurança cibernética é maior agora do que nunca e uma quantidade semelhante (92%) relata a segurança cibernética como um trabalho intencional e com alma que os motiva. No entanto, os profissionais de segurança cibernética estão famintos por reconhecimento, com 36% observando que sentem falta de reconhecimento pelo bem feito à sociedade. Dos que querem deixar o campo, 12% dizem que é por falta de sentimento de valorização. A pesquisa descobriu:

Mais da metade (52%) relata trabalhar com segurança cibernética porque é progressiva, evoluindo e gosta de explorar novas tendências desafiadoras;

41% relatam que a segurança cibernética está crescendo continuamente em relevância e as funções sempre estarão acessíveis como uma razão para permanecer na profissão;

Cerca de um em cada cinco (19%) observam que valorizam fazer algo para ajudar a sociedade para um bem maior.

Fonte: https://www.securityreport.com.br/overview/escassez-de-mao-de-obra-afeta-organizacoes-na-protecao-de-sistemas-e-redes-de-informacao/#.Yp3i6uzML0o

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Receba Notícias

Artigos Mais Recentes