Segundo o órgão, o incidente começou por volta das 4h30 e, durante a manhã, após a detecção, a equipe tirou os sistemas do ar para evitar danos. 

“Imediatamente a Presidência instituiu um grupo de trabalho para analisar e avaliar a extensão do ocorrido”, afirmou em nota o TCE-RS, que não abriu mais detalhes sobre a natureza do ataque.

Sem os sistemas, as sessões de todas as câmaras programadas para esta semana estão suspensas. De acordo com o site GauchaZH, os servidores do órgão foram dispensados às 13h desta segunda-feira.

“Ainda não temos a dimensão do tamanho do ocorrido, o Tribunal de Contas está paralisado porque todo o nosso trabalho está na rede”, disse Alexandre Postal, presidente do TCE-RS, em entrevista ao SBT. 

SEQUÊNCIA DE ATAQUES 

Diferentes instâncias do judiciário vêm sofrendo ataques cibernéticos nos últimos tempos, assim como algumas das maiores empresas do país.

Em julho deste ano, o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) detectou “atividade maliciosa” no acesso ao seu data center, também durante uma madrugada, e desligou o site e demais sistemas da instituição para remediar e investigar o incidente.

Meses antes, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3), órgão de segundo grau da Justiça Federal que abrange os estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, também sofreu um ataque que deixou seus serviços indisponíveis.

Em outubro de 2021, foi a vez do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (TRT-4), com sede em Porto Alegre, sofrer uma invasão da sua infraestrutura tecnológica.

Já o Supremo Tribunal Federal (STF), órgão máximo do Poder Judiciário, retirou seu site do ar após ter identificado um acesso “fora do padrão” em maio do mesmo ano.

Em novembro de 2020, hackers atacaram e criptografaram mais de 1,2 mil máquinas virtuais do Superior Tribunal de Justiça (STJ), outro tribunal superior, além de destruir seus backups, com um ransomware chamado RansomEXX. 

A correção do problema no STJ durou mais de uma semana, envolvendo equipes do STJ, Microsoft, Atos e Serpro.

Um dos ataques com consequências mais duradouras foi no TJ-RS, em abril de 2021, com a perda de dados dos servidores nos computadores de trabalho, além de dificuldades que duraram meses no uso dos sistemas, resultando inclusive em suspensão de prazos processuais.